sexta-feira, 29 de junho de 2018

Opinião: Eu Sou Eric Zimmerman

Título Original: Yo Soy Eric Zimmerman (2017)
Autor: Megan Maxwell
Tradução: Cristina Vaz
ISBN: 9789897770531
Editora: Planeta (2018)

Sinopse:

O meu nome é Eric Zimmerman e sou um poderoso empresário alemão, caracterizo-me por ser um homem frio e distante, que usufrui do sexo sem amor e sem compromisso.
Numa das viagens a Espanha para visitar uma das minhas delegações conheci uma jovem chamada Judith Flores. Ela fez-me rir, cantar e até dançar e eu não estava acostumado a isso. Quando me apercebi, sentia mais por ela do que devia, distanciei-me, mas regressei, pois essa mulher atraía-me como um íman.
A partir desse momento, começámos uma relação recheada de fantasia e erotismo e adorei ensinar Judith a gozar o sexo de uma forma que nunca imaginara.

Opinião:

Esta novidade da autora Megan Maxwell apresenta um ponto de vista diferente de uma história que já é conhecida. A autora volta às aventuras dos livros da trilogia Pede-me o Que Quiseres para recontar tudo do ponto de vista de Eric Zimmerman, o interesse amoroso da protagonista Judith Flores. Como tal, ficamos a conhecer o que este homem sentiu em todos os momentos que levaram ao desfecho feliz com a mulher por quem se apaixonou.

Se na trilogia principal era possível perceber que Eric e Judith têm personalidades opostas, agora fica mais do que evidente. Já sabemos que ela é uma mulher latina energética, impulsiva e de "pavio curto", e agora fica ainda mais saliente o lado controlador dele. Eric é um macho alfa, mas a forma como o demonstra não é propriamente agradável. Numa época em que o sexo feminino luta por direitos iguais, independência e reconhecimento, ver um homem com uma personalidade tão dominante e repressiva não é propriamente agradável.

É verdade que Eric passa por uma transformação, isso já se sabe, mas agora percebo que isso acontece como forma de obter o amor de Judith, não sendo necessariamente algo que ele perceba que tem de corrigir para evoluir. Estar dentro da cabeça dele e perceber a origem dos seus amuos constantes não me fez sentir qualquer empatia por esta personagem. Pelo contrário, só me deu a certeza de que é um homem mimado, que não sabe lidar com uma resposta negativa e que cria conflitos sem ter um verdadeiro motivo forte.

Perante tudo isto, a narrativa resulta numa sequeência de momentos de felicidade e afastamento entre estas duas personagens. Entende-se a química entre Eric e Judith, apesar das diferenças que existem entre ambos, mas gostaria que os problemas que atravessam fossem mais plausíveis ou interessantes. O que acaba por tornar a leitura mais agradável são os momentos de humor, sempre associados à personagem de Judith.

Depois de ter conhecido Megan Maxwell, posso dizer que foi interessante perceber que a sua escrita consegue mesmo transmitir a energia, alegria, intensidade e vitalidade próprias da autora. A linguagem é direta, a história tem ritmo, mesmo que os assuntos nem sempre sejam os mais interessantes ou cativantes. Neste volume, percebe-se se procedeu a um resumo da trilogia original, o que dá força à ideia que já tinha de que os outros livros não precisavam de ser tão longos para contarem esta história.

Eu Sou Eric Zimmerman poderá ser uma boa leitura para quem ficou fã da trilogia original. Apesar de não apresentar nada de original, este livro consegue entreter e fazer recordar. Ainda assim, quem não leu a trilogia original pode muito bem apostar neste livro sem necessidade de ler os restantes volumes, uma vez que tudo volta a ser contado.

 

Sem comentários: