terça-feira, 24 de abril de 2018

Opinião: Quando Tu Voltaste

Título Original: The One That Got Away (2017)
Autor: Maria Realf
Tradução: Raquel Dutra Lopes
ISBN: 9789897770432
Editora: Planeta (2018)

Sinopse:

Lizzie Sparkles devia ser a rapariga mais feliz do mundo... está a três meses de se casar com quem acha ser o Tal, no casamento dos seus sonhos! Passou os últimos três meses em êxtase. Mas, um fim-de-semana quando está a experimentar o vestido de noiva recebe notícias perturbadoras: o amor do passado regressa à sua vida como uma bomba! Depressa percebe que estas notícias ameaçam atrapalhar e eliminar os seus planos tão cuidadosamente elaborados.

O regresso inesperado de Alex muda tudo e Lizzie enfrenta um dilema impossível. Como poderá esquecer o passado, quando se depara com ele... e lhe pede mais uma oportunidade? E é forçada a fazer uma escolha que mudará a sua vida para sempre.

Uma história de amor comovedora e inesquecível, uma leitura emotiva, que não deixará os leitores indiferentes.

Opinião:

Um romance que sobre dúvidas, amores do passado, perdão, decisões difíceis, perda... e a preparação de um casamento! Quando Tu Voltaste apresenta a história de Lizzie, uma jovem que é contactada por um grande amor do passado enquanto está a preparar o enlace com um outro homem. Se isto vos deixa adivinhar uma grande crise no coração e mente da protagonista, fiquem desde já a saber que estão certos.

Maria Realf, a autora, conta esta história ao intercalar capítulos do presente e do passado de Lizzie. Por um lado observamos o entusiasmo da protagonista junto de Josh, homem com quem vive há alguns anos e ao lado de quem voltou a encontrar o amor após uma grande desilusão do passado. Já nos capítulos referentes a outros temos, assistimos ao desabrochar de um namoro intenso entre Lizzie e Alex, romance esse que sabemos, à partida, não vai terminar bem. Nas primeiras páginas, percebemos as diferenças entre estes dois relacionamentos, sendo um mais estável e seguro enquanto o outro é pujante e avassalador. Torna-se inevitável tomar partidos.

Claro que, ao longo das páginas, existe uma curiosidade crescente de conhecer o que Alex fez a Lizzie para a deixar tão magoada. Ainda assim, o seu reaparecimento, deixa perceber que há sentimentos que não morrem facilmente. Admito que me custou aceitar todas as escolhas da protagonista ao longo da história. Consigo perceber as dúvidas que sentia, mas não conseguia esquecer que ela estava, ao mesmo tempo, a ir para a frente com um compromisso sério com um destes homens. Lizzie arrasta a situação, coloca-se em situações que a deixam confortável sem fazer uma escolha e, como seria de esperar, acaba por causar uma mágoa semelhante àquela que sofreu no passado.

Apesar de não aprovar todas as atitudes da protagonista, não perdi a vontade de ver o que iria fazer a seguir. Além disso, o facto de a autora desvendar, aos poucos, o passado de Lizzie e Alex faz-nos não querer largar o livro até tudo estar exposto. E quando isso acontece, existe uma nova reviravolta que nos faz querer perceber que desfecho Maria Realf terá na manga para esta história. O final faz sentido, está bem conseguido e faz-nos pensar em superação e na verdadeira dimensão do amor.

Para quem gosta de casamentos, este livro vai ser uma delícia. É que, ao longo da narrativa, assistimos a Lizzie nos mais variados momentos de preparação do seu enlace com Josh. Desde a prova dos vestidos, à escolha das flores, dos convites, ao ensaio da cerimónia e às despedidas de solteiro, Quando Tu Voltaste permite-nos entrar em alguns dos passos mais importantes do noivado. Algo divertido, emocionante e que nos deixa a paixão de Maria Realf por casamentos, ou não tivesse a autora trabalhado em revistas relacionadas com este tema.

Quando Tu Voltaste é um romance amoroso. Apesar de nem sempre compreendermos as escolhas de Lizzie, conseguimos entender o drama que enfrenta. Um história que fala de um amor que não termina, de superação e da coragem necessária para admitir sentimentos e lutar por uma felicidade maior. Um livro recomendado para os leitores mais românticos.


segunda-feira, 23 de abril de 2018

Dia Mundia do Livro - a origem


Hoje é um dia especial para todos nós, que não perdemos a oportunidade de nos perdermos entre páginas: é o Dia Mundial do Livro! Mas conhecem a origem desta celebração?

Surgiu na Catalunha, em Espanha, em 1926. A data escolhida inicialmente era o 5 de abril, pois era o dia de nascimento do escritor Miguel de Cervantes. Desta forma, o governo espanhol comemorava não só o escritor como também a Feira do Livro Espanhol. Só a parir de 1930 é que a data passou a ser o 23 de abril, o dia do falecimento do mesmo escritor.

Em 1995, a UNESCO (United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization) insituiu o 23 de abril como o Dia Mundial do Livro e do Direito de Autor. A razão da data não estava apenas associada ao facto de se assinaliar a morte de Miguel de Cervantes como ainda de outros autores, como William Shakspeare (apesar de não ser preciso), Vladimir Nabokov,  Garcilaso de la Vega e Josep Pla.

O objectivo da UNESCO é promover o prazer da leitura, a publicação de livros e a protecção dos direitos autorais. Assim sendo, de que forma estão a pensar celebrar o dia?

Novidades da Bertrand Editora para Abril

MacBeth, de Jo Nesbo
Sinopse: Passado nos anos 70, numa cidade industrial cinzenta e chuvosa, a força policial da zona está concentrada em acabar com um persistente problema de drogas. Duncan, chefe da polícia, é um idealista e visionário, um sonho para a população e um pesadelo para os criminosos. O comércio das drogas é liderado por dois homens, um dos quais, mestre da manipulação chamado Hécate, tem ligações aos poderes mais elevados. E pretende usá-las para conseguir escapar ileso.
O seu plano consiste em manipular, de forma consistente e persistente, o inspetor Macbeth, um homem já de si suscetível a tendências paranoides e violentas. O que se segue é uma história irresistível de amor e culpa, de ambição política e inveja, que explora os recantos mais negros da natureza humana, assim como as aspirações da mente criminosa.



LoveStar, de Andri Snaer Magnason
Sinose: Num futuro próximo, a empresa LoveStar controla todos os aspetos da vida humana, incluindo o amor e a morte. Os seres humanos vivem agora «sem fios», o que dá rédea solta ao consumo, à tecnologia e à ciência. O serviço da REMORSOS permite eliminar dúvidas sobre caminhos que não foram seguidos, os mortos são lançados em foguetões para o espaço, de maneira a poderem regressar à Terra em todo o esplendor e o programa da inLove junta os casais perfeitos.
Ingriði e Sigríður não foram calculados para ficarem juntos, mas estão convictos de que se trata de uma mera formalidade. Mas quando a inLove une Sigríður a outra pessoa, a utopia que criaram começa a desmoronar-se.
Uma visão do futuro em que o marketing e a tecnologia governam o mundo, sem nunca conseguir contudo eliminar definitivamente o amor e a ânsia de viver.



quinta-feira, 19 de abril de 2018

Novidades da Saída de Emergência para Maio

O Caminho das Mãos, de Steven Erikson
Sinopse: Os exércitos do Apocalipse, liderados pela vidente Sha’ik, assolam o Império Malazano e uma guerra santa deixa um rasto de vítimas e destruição. A liderança militar escolhe um plano audacioso de evacuar os sobreviventes que restam para Aren, a única cidade no continente ainda sob controlo do Império. Por desertos e vastas desolações, milhares de refugiados não têm outra escolha senão participar no êxodo lendário conhecido como A Corrente de Cães.
No outro lado do continente, uma conspiração está em curso para assassinar a Imperatriz Laseen, e não faltam protagonistas sedentos de vingança ou envolvidos em demandas secretas. Mal sabem eles que todos os caminhos estão inevitavelmente ligados ao Apocalipse que se liberta…

Disponível a partir de dia 11.



O Poder, de Naomi Alderman
Sinopse: E se, um dia, as raparigas ganhassem subitamente o estranho poder de infligir dor excruciante e morte? De magoar, torturar e matar?
Quando o mundo se depara com esse estranho fenómeno, a sociedade tal como a conhecemos desmorona e os papéis são invertidos. Ser mulher torna-se sinónimo de poder e força, ao passo que os homens passam a ter medo de andar na rua, sozinhos à noite.
Ao narrar as histórias de várias protagonistas, de múltiplas origens e estatutos diferentes, Naomi Alderman constrói um romance extraordinário que explora os efeitos devastadores desta reviravolta da natureza, o seu impacto na sociedade e a forma como expõe as desigualdades do mundo contemporâneo.

Disponível a partir de dia 11.



Fahrenheit 451, de Ray Bradbury
Sinopse: Guy Montag é um bombeiro. O seu emprego consiste em destruir livros proibidos e as casas onde esses livros estão escondidos. Ele nunca questiona a destruição causada, e no final do dia regressa para a sua vida apática com a esposa, Mildred, que passa o dia imersa na sua televisão.
Um dia, Montag conhece a sua excêntrica vizinha Clarisse e é como se um sopro de vida o despertasse para o mundo. Ela apresenta-o a um passado onde as pessoas viviam sem medo e dá-lhe a conhecer ideias expressas em livros. Quando conhece um professor que lhe fala de um futuro em que as pessoas podem pensar, Montag apercebe se subitamente do caminho de dissensão que tem de seguir.
Mais de sessenta anos após a sua publicação, o clássico de Ray Bradbury permanece como uma das contribuições mais brilhantes para a literatura distópica e ainda surpreende pela sua audácia e visão profética.

Disponível a partir de dia 11.



Quem Teme a Morte, de Nnedi Okorafor
Sinopse: Num futuro distante, um holocausto nuclear devasta o continente africano e dá-se um genocídio numa das suas regiões. Os agressores, os Nuru, de pele mais clara, decidiram seguir o Grande Livro e exterminar os Okoke, de pele mais escura. Mas, depois de ser violada, a única sobrevivente de uma aldeia Okoke consegue escapar e refugiar-se no deserto. Dá à luz uma rapariga com cabelo e pele cor de areia e a mãe percebe, nesse momento, que a sua filha é diferente. Dá-lhe o nome de Onyesonwu, que significa “Quem Teme a Morte?”.
Treinada por um misterioso xamã, Onyesonwu sabe que tem um destino mágico a cumprir: pôr fim ao genocídio do seu povo. A jornada para cumprir tal proeza irá pô-la em confronto com a natureza, a tradição, o amor verdadeiro, os mistérios da sua cultura… e, por fim, com a própria morte.

Disponível a partir de dia 25.