sexta-feira, 26 de julho de 2013

Eu comprei um Kobo e...

...devolvi-o.
(Sim, foi este modelo)

Estava bastante entusiasmada com a compra pois era algo que eu já queria há algum tempo, mas a nossa relação não correu bem.

Cheguei a casa feliz da vida e comecei logo a ler as instruções. Depois disso, foi ligar ao computador, fazer as instalações necessárias e...aí a coisa começou a correr mal. A primeira meia hora consistiu numa série de erros sem justificação plausível, o que não me agradou. Depois, quando finalmente consegui tratar do assunto e instalar um eBook, chegou a grande desilusão.

Não me senti a ler um livro. Não é que a leitura não fosse possível ou fácil, mas o facto de não estar a passar páginas ou a sentir o peso do livro estava a mexer-me com o sistema nervoso. Li durante um pouco e o sentimento de irritação apenas crescia. Desisti, peguei num livro e senti-me logo melhor.

Eu queria ter gostado da maquineta, juro que queria, mas não gostei. No outro dia, logo de manhã, fui a correr à loja. Disse que a razão da devolução se resumia ao facto de eu ter detestado o Kobo.

Vejo que existe muita boa gente que utiliza eReaders e se sente feliz por isso, mas eu não consegui. Reconheço que existiriam novas possibilidades de leitura, mas não me sinto preparada para começar a ler neste formato. Pode ser que um dia isso venha a mudar, mas por enquanto fico-me pelo método tradicional.

E vocês? Já aderiram aos eReaders?

8 comentários:

Clarinda disse...

Sim. Também comprei um Kobo e estou a gostar. Não tive quaisquer problemas de introdução de livros e afins.
Leio nele de noite e os meus pulsos agradecem. Só estou arrependida de não haver dunheiro para o iPad que tem uma resolução fantástica.
Mas, como tu, não dispenso o papel. O Kobo é só para as curiosidades que não tenciono comprar e para quando saio de casa.

Boas Leituras :)

Cláudia disse...

Obrigada pela partilha Clarinda. Estou a ver que existe muita gente rendida a esta forma de leitura. Pode ser que dentro de uns tempos volte a tentar, desta vez com mais paciência.

Beijinho e boas leituras

barroca disse...

Tenho um Kindle há 3 anos e adoro! O inkpaper é fantástico e como leio muito em inglês, nem sequer tenho de esperar pela tradução portuguesa.

Poder levar dezenas de livros é tb super útil e cómodo. E sinceramente, já estava a ficar sem espaço em casa; ainda compro livros em formato papel, mas só para oferecer! ;)

Cata disse...

Comprei o Kobo Wireless e adoro-o <3

Não tive nenhum problema, já tenho montes de livros para ler, mas também não dispenso o papel.

Vou alternando entre o físico e o digital

Beijinhos*

Cláudia disse...

Barroca e Cata, é bom ver que também vocês estão rendidas. Ler as vossas mensagens e ainda outras com a mesma opinião levam-me a pensar em voltar a dar uma hipótese à máquina.

Beijo e boas leituras*

Liliana Lavado disse...

Que pena… :(
Eu tenho um nook da Barnes&Noble e gosto muito de ler nele quando vou de férias (para levar uns 50 livros à escolha) e também para os transportes públicos… e claro, quando é um daqueles livros mais escaldantes que não quero que ninguém no metro saiba que estou a ler :D
É a velha história das escadas e do elevador, papel e ebook, cada um tem o seu espaço e momento :)

Cláudia disse...

Olá Liliana!

Vendo as diferentes opiniões, constato que se calhar não me senti tão atraída também pelo facto de não ter o hábito ou necessidade de fazer grandes viagens ou de andar de transportes públicos. Se tal acontecesse chegaria a essa conclusão.

Vou dar tempo, deixar esta má experiência passar e depois volto a tentar ;)

Beijo*

p7 disse...

A minha irmã tem um Kobo e diz que também bloqueou no primeiro dia, a tentar carregar livros, mas que depois nunca mais teve problemas. ;)

Eu tenho um Kindle, e acho-o muito útil para quando não há edição em papel dum livro/novela/conto que quero ler. Mas se tiver a hipótese de comprar em papel, opto sempre pelo livro físico. Não se pode dizer que estou rendida aos e-books, porque ainda me faz confusão dar dinheiro por uma coisa que não é minha, já que estou apenas a comprar o direito de acesso a ela, e que este pode ser revogado por dá cá aquela palha.

Para além disso, as limitações do formato, as "manias" das lojas online, e os preços deixam-me sempre de pé atrás quando estou a pensar em comprar um e-book. Acabo por ler só freebies ou novelas/contos que complementam séries que ando a seguir.

Ando muito de transportes, e não foi por isso que me converti ao e-reader. Não me faz mossa andar um bocadinho mais carregada com um livro físico, e aí também o e-reader não me cativou por aí além.

Acho que o que estava a tentar dizer é que não estás sozinha, ao preferires o livro físico. ;)