quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Opinião: Pura Coincidência

Título Original: Disclaimer (2015)
Autor: Renée Knight
Tradução: Isabel Veríssimo
ISBN: 9789898775757
Editora: Suma de Letras (2015)

Sinopse:

E se de repente se apercebesse de que é o protagonista do aterrador romance que está a ler? Catherine tem uma boa vida: goza de grande sucesso na profissão, é casada e tem um filho. Certa noite, encontra na sua mesa de cabeceira um livro com o título "O perfeito desconhecido". Não sabe como terá ido parar ao seu quarto ou quem o terá ali posto. Ainda assim, começa a lê-lo e rapidamente fica agarrada à história de suspense. Até que, depois ler várias páginas, chega a uma conclusão aterradora.
O perfeito desconhecido recria vividamente, sem esquecer o mais ínfimo detalhe, o fatídico dia em que Catherine ficou prisioneira de um segredo terrível. Um segredo que só mais uma pessoa conhecia. E essa pessoa está morta.

Opinião:

Já imaginaram o que seria estarem a ler um livro sobre algo que vos aconteceu? Pois é esta a premissa inicial de Pura Coincidência, um livro de Renée Knight. A ideia é gira e também assustadora. Afinal, tal como a personagem, também eu fiquei desconcertada com as inúmeras possibilidades que teriam levado alguém a ter conhecimento de algo tão pessoal e secreto.

Catherine, a mulher que lê algo que lhe aconteceu num livro que lhe chegou às mãos de forma misteriosa, é a mulher à volta de quem a história gira. Gostei da forma como esta autora desenvolveu esta figura, pois senti que estive sempre a descobri-la e a conhecê-la ao longo de toda a obra. A minha opinião sobre ela não era sempre a mesma: houve momentos em que a ache banal, outros onde sofri com a sua dor e ainda outros em que consegui mesmo odiá-la. É de louvar quando um autor constrói uma personagem tão complexa e humana.

Robert, o marido de Catherine, não me conquistou em nenhum momento. Com tal não quero dizer que seja uma má personagem, mas sim que se trata de alguém que numa primeira fase parece estar adormecido sendo que na seguinte adota uma postura que é difícil de aceitar. Penso que alguém que era tão devoto deveria ter agido a todo de uma outra forma, sendo que a sua posição só demonstra que tem muito rancor guardado.

Num lado oposto existe Stephen, um homem reformado que, inicialmente, dá a entender não ter qualquer ligação com a história de Catherine. Contudo, é fácil perceber que, na verdade, não é bem assim. Tal como aconteceu com Catherine, também tive muitas opiniões diferentes quanto a esta figura. É fácil sentir pena de um idoso solitário, mas algumas revelações sobre o seu passado deixaram-me sem saber se deveria ou não acreditar nele. Ele é o exemplo de alguém que quer vingança e não tem nada a perder. Como tal, é capaz de tomar atitudes condenáveis, mesmo que sejam feitas por algo que considera ser bom.

O desenrolar da trama está bem conseguido. A autora é capaz de nos levar a pensar em diferentes direções daquela que é a verdadeira. Por muitos momentos tentei adivinhar qual era a história que o livro misterioso contava e quando a descobri não foi propriamente inesperado. Contudo, o que acontece depois deixou-me realmente surpreendida. É verdade que o início pode ser mais lento, mas tal devesse ao enquadramento que é necessário para ser possível entender o que move as personagens. As ligações entre tudo o que nos está a ser apresentado também não são logo evidentes.

A forma como cada figura reage é diferente e, apesar de algumas atitudes serem facilmente condenáveis, também nos fazem pensar no que faríamos perante a situação em que cada personagem se encontra. Afinal, a autora mostra que só perante as situações adversas é que podemos ter a certeza da nossa reação e, assim, ficamos a conhecer melhor quem realmente somos. A autora aborda ainda temas como a família, o perdão, o sacrifício e as diferentes dimensões do amor.

Livro relatado a duas vozes, Pura Coincidência é um thriller psicológico que cativa gradualmente com o passar das páginas. A escrita é simples e direta, sem muitas descrições, mas a construção das personagens é complexa e intrigante. O desenrolar da trama manteve sempre a minha curiosidade e fiquei surpreendida com as revelações finais. Uma leitura que me proporcionou bons momentos.

1 comentário:

isjaneka disse...

Tenho lido boas críticas :) e a sinopse é interessante, vamos ver quando chega a vez de o ler :p