quinta-feira, 9 de junho de 2016

Opinião: Illuminae (Os Ficheiros Illuminae #1)

Título Original: Illuminae (2015)
Autor: Amie Kaufman e Jay Kristoff
Tradução: Rita João
ISBN: 9789896650773
Editora: Nuvem de Tinta (2016)

Sinopse:

"Illuminae" é diferente de todos os livros que alguma vez leste. Através de documentos pirateados, emails, mapas, arquivos militares, transcrições de interrogatórios e mensagens, vais descobrir que o pior dia da vida de Kady é apenas o início da história mais trepidante e arrebatadora de sempre.

Opinião:

Este livro não é como os outros. Fiquei com vontade de começar a ler Illuminae asim que peguei e folhei. É que não me deparei com o habitual texto corrido. As páginas apresentavam um grafismo diferente, que variava bastante e que chamava a atenção. Isto porque Amie Kaufman e Jay Kristoff decidiram contar uma história não através de um narrador, mas através de uma coletânea de documentos, entre os quais entrevistas, conversas de chat, e-mails, relatórios, mapas, entre outros. Parece estranho? Mas funciona, acreditem!

Illuminae decorre em 2575, numa época em que a exploração espacial está bastante avançada e na qual já existe a colonização de outros planetas. Neste livro, assistimos ao ataque a um planeta, o que leva à fuga dos poucos sobreviventes e à sua perseguição. Ao mesmo tempo, assistimos à história de Kady e Ezra, dois jovens ex-namorados que escapam em naves diferentes. Trata-se então de um livro de ficção científica destinado a um público jovem-adulto, mas cuja trama, inovadora e intensa, também cativa outros grupos. Eu, pelo menos, tive dificuldades em parar de ler e cheguei ao fim num instante.

Apesar de surgir num estilo pouco convencional, trata-se de uma história com princípio, meio e fim. Os documentos que vão surgindo são, regra geral, curtos, o que faz com que não sejam cansativos e com que a leitura se torna muito estimulante. Além disso, o facto de serem usados vários pontos de vista, devido à diversidade de formas disponíveis, faz com que nos seja dada uma visão muito geral e completa de tudo o que está a acontecer.

Logo no início, graças a uma entrevista que me deixou logo com um sorriso nos lábios, é possível perceber os traços gerais das personalidades de Kady e Ezra. Ela é uma maria-rapaz com mau feitio e muito inteligente, ele é um atleta trapalhão que tem um grande coração. Gostei desta dupla, apesar de ser Kady quem é mais explorada, o que faz com que tenha uma construção mais forte. Apesar de eles estarem a viver um acontecimento muito tenso, os momentos de humor que criam acabam por aliviar a tensão. Porém, tratam-se de dois adolescentes, e as fases mais carinhosas acabam por ser aquelas que menos apreciei. Além disso, a linguagem utilizada nos chats contém muitas abreviaturas, típico desta geração e deste tipo de conversação, o que pode aborrecer alguns leitores.

Quero destacar a inteligência artificial da nave Alexander. Radia provocou-me sensações diferentes em momentos distintos da obra. Achei curioso que tivesse uma fase completamente racional, na qual age de forma imediata e sem ter em conta a vida, por exemplo, sendo que, a partir do momento em que os seus próprios erros aumentam ela parece tornar-se mais humana. Penso que, desta forma, os autores quiseram mostrar que é nas imperfeições que surgem valores como o altruísmo, entre outros.

São vários os perigos que surgem ao longo da obra e senti a ameaça que representavam. Senti a claustrofobia de estar presa dentro de uma nave sem ser capaz de escapar de uma perseguição ou de algo aterrador que se alastra no interior deste transporte. As contagens que iam surgindo deixavam-me tensa e faziam-me ter vontade de continuar a ler para descobrir o que iria acontecer a seguir. E apesar de se tratar de uma obra de ficção, é possível perceber que se inspira na ganância de grandes empresas e nas ações que estas companhias executam tendo em vista o lucro e sem pensar nas consequências com que outros terão de lidar.

Illuminae foi uma obra que me surpreendeu e que gostei muito de ler. Louvo o trabalho gráfico que foi necessário para que cada parte se tornasse distinta, o que faz com que livro seja ainda mais especial. Primeiro volume de uma trilogia, sugere que a história ainda tem muito para explorar. Fico curiosa para saber como a dupla de autores vai continuar esta trama e que outros métodos irá utilizar.

Sem comentários: