segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Opinião: O Milésimo Andar

Título Original: The Thousandth Floor (2016)
Autor: Katharine McGee
Tradução: Nuno Bombarda de Sá
ISBN: 9789896579340
Editora: Planeta (2017)

Sinopse: 

Uma torre de mil andares. A visão brilhante de um futuro onde tudo é possível se assim o desejarmos. Nova Iorque, cidade de sonhos e inovação daqui a cem anos. Todos querem qualquer coisa… e todos têm algo a perder. O exterior impecável de Leda Cole esconde um vício secreto por uma droga que nunca devia ter experimentado e por um rapaz em quem nunca devia ter tocado. A vida bela e descuidada de Eris Dodd-Radson desmorona-se quando uma traição lhe destrói a família. O trabalho de Rylin Myers num dos andares mais altos mergulha-a num mundo e num romance inimaginável… mas essa vida nova custar-lhe-á a que tinha antes? E a viver acima de todos, no milésimo andar, está Avery Fuller, uma rapariga que parece ter tudo, mas que vive atormentada pela única coisa que nunca poderá ter.

Segredos, escândalos e traições numa Nova Iorque como nunca a viu.

Opinião:

Se alguma vez imaginaram como seria a série de sucesso “Gossip Girl” se ocorresse no futuro, então encontram a resposta a essa questão em Milésimo Andar. Livro fresco, divertido, intrigante, romântico e repleto de drama. A autora Katharina McGee criou um novo mundo, praticamente tudo passado num edifício gigantesco, onde a alta sociedade vive focada nos seus problemas, alheia às dificuldades dos que lutam pelo sobrevivência nos pisos mais empobrecidos.

Não se pode dizer que exista uma personagem principal nesta trama, uma vez que a autora decidiu dividir a história pela perspectiva de cinco figuras. Desta forma, existe a certeza de que nos vamos sentir ligados com pelo menos um destes jovens, já que todos têm personalidades, vivências, objetivos e obstáculos distintos. Contudo, e apesar de não ser apontado um protagonista, a verdade é que, para mim, existe uma personagem que se destaca: Avery.

Avery é descrita como fisicamente perfeita. Afinal, ela nasceu após um longo estudo aos genes dos seus pais para ser a mais bela. A nível de personalidade, também não há muito para se lhe apontar, sendo que o mais interessante desta figura é mesmo o segredo que guarda. É possível perceber, logo desde o início, de que forma esta situação pode desenrolar-se, por isso não se trata propriamente de uma surpresa quando a revelação é feita. Digo que Avery tem um papel de maior destaque pois é a única que se encontra ligada a todas as outras personagens, logo a sua intervenção é sempre relevante em todos os enredos. Acredito que acabei por torcer por ela não tanto por empatia mas sim por oposição a Leda, sua amiga e rival.

Antipatizei com Leda desde o início. Gostei que lhe fosse dado um fundo problemático, pois isso conferia mais profundidade à personagem, mas a sua personalidade interesseira, manipuladora e oportunista não me agradou. Compreendo que sofreu e sofre grandes mágoas e desilusões, mas as ferramentas que encontra para se fazer valer não são as mais éticas. Com o decorrer da narrativa, tudo o que me desagradou nela torna-se mais vincado, mas ainda assim fiquei admirada com o fim que lhe foi dado.

Eris chamou-me a atenção desde o primeiro momento e apreciei bastante da forma como a autora a levou a deparar-se com os contrastes entre ricos e pobres. Já Rylin, por seu lado, forneceu um caráter romântico diferente à história, fazendo quase lembrar a história da Cinderela. Eris e Rylin são as personagens que nos levam a conhecer as classes mais desfavorecidas, dando uma visão mais ampla e realista sobre este mundo futurista. Tratam-se de duas personagens bem construídas e com fundamentos plausíveis. Tendo em conta história de cada uma, tentam ultrapassar as dificuldades que encontram através de diferentes meios e através de valores distintos.

Watt foi uma lufada de ar fresco. Além de ser a única personagem masculina com destaque, é também um jovem muito interessante devido ao dispositivo ilegal que implantou na própria cabeça. As suas conversas e discussões com Nadia davam sempre alguma leveza à trama e eram divertidas de assistir. Ele acaba por bastante relevante para uma revelação final e para a forma como as outras quatro personagens terminam.

Trata-se claramente de uma obra destinada ao público jovem-adulto, sendo que a intriga entre jovens adolescentes pode, muitas vezes, parecer demasiado dramática. O desenrolar da ação não é propriamente surpreendente, mas tem vários momentos que captam a atenção e fazem querer continuar a leitura. Foi divertido acompanhar estas personagens nas suas peripécias. Confesso que o final do livro afastou-se um pouco daquilo que esperava ou desejava, mas isso apenas deu mais vontade de pegar no livro que continua esta aventura.

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Resultado do passatempo "Nos Sapatos de Valéria" + "Valéria ao Espelho"

Aqui fica o resultado do passatempo que o blogue fez em parceria com a Suma de Letras! Estava em sorteio um um pack composto pelos exemplares Nos Sapatos de Valéria e Valéria ao Espelho, livros de Elísabet Benavent.



Este sorteio conta com 105 participações, sendo o vencedor escolhido através do random.org. Assim, o vencedor corresponde ao número...


..65! Que equivale à participação de:

Carolina (...) Marques, de Entroncamento

Muitos parabéns à vencedora!

quinta-feira, 27 de julho de 2017

Opinião: Valéria ao Espelho

Título Original: Valeria en el espejo (2013)
Autor: Elízabet Benavent
Tradução: Sofia Goes
ISBN: 9789896652883
Editora: Suma de Letras (2017)

Sinopse:

Valéria está imersa num turbilhão de emoções.
Valéria acaba de publicar o seu romance e tem medo das críticas.
Valéria está a divorciar-se de Adrián e não está a ser fácil.
Valéria não sabe se quer um relacionamento com Vítor.

Opinião:

Voltar a encontrar Valéria e o seu grupo de amigos foi muito divertido. Depois de Nos Sapatos de Valéria (opinião aqui), ficamos agora a conhecer as consequências das ações da protagonista e cada uma das outras figuras que fazem parte do seu círculo social mais próximo. Assim sendo, para além de o leitor se divertir com as situações caricatas e ainda de suspirar com as cenas mais românticas e quentes, fica ainda a ideia de que o final feliz não é algo que é alcançado, mas que tem sempre de ser trabalho e vivido em cada momento.

O primeiro volume terminou num momento crítico para Valéria. A protagonista tomou uma decisão e agora está a reencontrar o seu caminho. Elízabet Benavent, a autora, mostra-nos que romper com o passado não é uma tarefa fácil. Apesar de toda a desilusão e tristeza, existem também boas recordações e ainda algo mais perigoso: a necessidade quase inconsciente de não largar o que é conhecido e de sair da zona de conforto. Assim sendo, não aprovei todas as atitudes que Valéria teve, mas fiquei feliz por, mais perto do fim, ela ter ganho coragem para realmente seguir em frente.

Os relacionamentos amorosos voltam a ter grande destaque neste livro. A autora faz-nos pensar sobre a diferença entre atração e paixão e ainda nos desafia a distinguir segurança e conforto de amor. Existem muitos momentos mais sensuais, que têm como objetivo apimentar a leitura e ainda justificar a ligação entre as personagens, mas não são estes os mais cativantes. A forma como as personagens encaram os obstáculos que encontram é bem real, pois elas não seguem aquilo que o leitor, mais racional, sabe ser mais certo, mas deixam-se levar pelas emoções, pelos seus medos e desejos.

Paralelamente à história da protagonista, existem outras relacionadas com as duas suas amigas. A de Carmen voltou a ser a minha preferida. A relação que ela tem com Borja e com a família deste é fácil de relacionar com a vida real. Afinal, todos nós ou já vivemos ou sabemos de outras pessoas que passam por situações muito semelhantes. Fica a mensagem de que respeitar a família do companheiro é respeitar a pessoa que escolhemos para estar ao nosso lado, e que isso só fortalece a relação, enquanto o contrário pode destruir.

Nerea vive um drama muito diferente e não gostei muito da forma como Valéria e Lola o encararam. Apenas Carmen conseguiu estar realmente lá pela amiga, não só presencialmente, como também pela preocupação demonstrada. O facto de Valéria parecer tratar este assunto tão sério e forte com leviandade não me deixou boa impressão dela, ficando a ideia de que a protagonista estava "cega" pelo romance que estava a viver. Já Lola acabou por ser aquela cuja história foi menos relevante, mas os seus comentários são sempre engraçados e marcam a diferença.

Ao ler este livro, voltei a ficar com a impressão de que a autora é grande fã da série "O Sexo e a Cidade". Ainda que sendo bem diferente, esta história tem características muito semelhantes no que toca á relação entre quatro amigas de personalidades distintas e à forma como cada uma lida com os seus próprios problemas. Valéria ao Espelho é uma continuação que não desilude, que diverte ao mesmo tempo nos leva a pensar sobre a complexidade dos relacionamentos e a importância de nos amarmos para sermos felizes. Uma ficção divertida mas muito próxima da realidade.

Opinião a outros livros de Elízabet Benavent:
Nos Sapatos de Valéria

Novidade da Bertrand Editora para Agosto

A Torre Negra, de Stephen King
Sinopse: Stephen King cria «pura magia narrativa» (The Washington Post) a cada revelação na sua história, ultrapassando
todas as expectativas no impressionante final da sua obra-prima, uma narrativa épica constituída por sete tomos.
Entrelaçando histórias e mundos numa tela ampla e complexa, chegamos por fim à conclusão por que os leitores tanto esperaram: um final de uma imaginação estonteante, visionário, ousado e cativante.
Roland Deschain e o seu ka-tet viajaram juntos e separadamente, espalhados por múltiplas camadas de mundos, inúmeros quandos e ondes. O destino de Roland, Susannah, Jake, do padre Callahan, Oy e Eddie prende-se com a própria Torre, que agora os puxa para mais perto de si, para fim de todos e novos inícios… e para um turbilhão de emoções, violência e descobertas.


Disponível a partir de dia 11.

Novidade da CoolBooks para Julho

Maresia e Fortuna, de Andreia Ferreira
Sinopse: O que é o verdadeiro amor?
Para Eduardo, de 17 anos, é a mãe e o irmão mais velho, Simão. Este, porém, tem um segredo que o empurra para a bebida e Eduardo receia que o seu irmão se suicide, tal como o pai de ambos o fizera, dez anos antes.
Júlia acredita que passou ao lado de um grande amor. Em busca da verdade que mudará a sua vida, regressa à vila de Apúlia para reconstruir um passado de que não se consegue recordar.
O caminho desta mulher perturbada está prestes a cruzar-se com o de Eduardo, trazendo à tona segredos, paixões agressivas e remorsos intemporais, com consequências devastadoras sobre a vida da outrora pacata vila piscatória. Uma alegoria moderna de um clássico, onde os humanos se destroem sem precisarem de intervenção divina.

Já disponível!

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Novo livro da série Millennium chega em setembro

O Homem Que Procura a Sua Sombra, de David Lagercrantz
Lisbeth Salander cumpre uma curta condenação no estabelecimento prisional feminino de Flodberga e faz o possível por evitar qualquer conflito com as outras reclusas, mas ao proteger uma jovem do Bangladesh que ocupa a cela vizinha é imediatamente desafiada por Benito, a reclusa que domina o bloco B.
Holger Palmgren, o antigo tutor de Lisbeth, visita-a para a informar de que recebeu documentos que contêm informações sobre os abusos de que ela foi vítima em criança. Lisbeth pede ajuda a Mikael Blomkvist e juntos iniciam uma investigação que pode trazer à luz do dia uma das experiências mais terríveis implementadas pelo governo sueco nos anos Oitenta do século XX. Os indícios conduzem-nos a Leo Mannheimer, sócio da corretora Alfred Ogren, com quem Lisbeth tem em comum muito mais do que algum deles podia pensar.
Em O Homem Que Procura a Sua Sombra, o quinto volume da série Millennium, David Lagercrantz construiu uma história emocionante sobre abuso de autoridade, e também sobre as sombras da infância de Lisbeth que ainda a perseguem.

terça-feira, 25 de julho de 2017

George R. R. Martin anuncia dois livros novos para 2018 (será desta que o Inverno chega?)

George R. R. Martin tem deixado os fãs à beira de um ataque de nervos. Seis anos (seis!?) após a publicação de A Dança dos Dragões, surgem notícias de que o próximo livro das "Crónicas de Gelo e Fogo" poderá sair em 2018.

The Winds of Winter, que poderá vir a ser traduzido para Os Ventos de Inverno deverá ser dividido em duas partes, sendo que a primeira vai receber o nome Fire and Blood (Fogo e Sangue) e a segunda receberá, então, o nome original. "É difícil dizer, mas penso que podem ter um novo livro meu sobre Westeros em 2018... e, quem sabe, talvez até dois. Um rapaz pode sonhar", escreveu o autor no seu blogue pessoal.



 A nós, fãs que desesperam pela continuação da trama nos livros, só nos resta esperar que o Inverno chegue, tal como tem sido prometido há muito.